22 de dezembro de 2021

Lutas contra PEC 32 (reforma administrativa) e por reajuste vão reforçar ainda mais unidade de servidores em 2022

Apesar da importante vitória obtida em 2021, contra a PEC 32, que terminou o ano não entrando na pauta da Câmara dos Deputados, 2022 promete desafios ainda maiores. O ano foi de duras batalhas, perdas de companheiros de luta importantes que estão entre mais de 600 mil vítimas da Covid-19 no país

Se 2021 foi um ano marcado pela mobilização de servidores federais, estaduais e municipais numa unidade histórica que reuniu também todas as centrais sindicais do Brasil contra a PEC 32, da reforma Administrativa, o próximo ano será de consolidação e reforço da Aliança das Três Esferas.

Além da continuidade de uma agenda de ações para derrotar esse projeto de destruição do Estado brasileiro de Bolsonaro-Guedes, servidores também devem se unir na luta por reajuste já que a maioria está há mais de 5 anos com salários congelados. As especulações lançadas por Bolsonaro para conceder reajuste de 5% a servidores em ano eleitoral geraram barulho. Mesmo depois de ministros, técnicos e lideranças da base do governo se apressarem para desmentir o presidente seguiu insistindo no discurso.

Vale lembrar que estudos feitos pelo Dieese apontam que nos últimos anos a perda salarial dos servidores chega a quase 50%. Agora, no apagar das luzes da aprovação do Orçamento da União, o discurso passou a ser outro e as garantias de reajuste se voltaram apenas para categorias de policiais: Polícia Federal (PF), Polícia Rodoviária Federal (PRF) e Departamento Penitenciário Nacional (Depen).

A reação das demais categorias com salários defasados foi imediata. Esse tratamento diferenciado certamente causará consequências e tensões em ano eleitoral que continuará marcado pela luta contra a reforma Administrativa. Como todos os anos teremos nossa Campanha Salarial Unificada e esse deverá ser um cenário que vai unir ainda mais as categorias mais prejudicadas por esse arrocho salarial.

Apesar da importante vitória obtida em 2021, contra a PEC 32, que terminou o ano não entrando na pauta da Câmara dos Deputados, 2022 promete desafios ainda maiores. O ano foi de duras batalhas, perdas de companheiros de luta importantes que estão entre mais de 600 mil vítimas da Covid-19 no país. A dor, os obstáculos, que transformemos em força para seguir defendendo o que todos eles dedicaram suas vidas fazendo: Um Brasil justo com servidores valorizados e serviços públicos de qualidade para todos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *