22 de setembro de 2020

Campanha avança com ações questionando privatizações e a reforma Administrativa

Convidamos todas as entidades a participar da construção desse questionamento, enviando suas propostas para contato@auditoriacidada.org.br

Desde o lançamento da campanha É HORA DE VIRAR O JOGO, temos produzido diversos materiais para mostrar a realidade de imensas riquezas e possibilidades do nosso país, contrastando com o cenário de escassez em que se encontra a maioria da população brasileira, e o enorme atraso em nosso desenvolvimento socioeconômico.

Essa disparidade decorre do modelo econômico errado que atua no Brasil, o qual tem sido implementado, na prática, por meio das contrarreformas (como a Trabalhista e a da Previdência que já foram aprovadas, e a atual PEC 32/2020, da Reforma Administrativa), assim como por meio das Privatizações do nosso patrimônio estratégico e lucrativo; da política monetária suicida praticada pelo Banco Central; do Sistema da Dívida e demais eixos que sustentam esse modelo errado que precisamos modificar, como temos abordado (Leia mais) e demais materiais da campanha.

A campanha É HORA DE VIRAR O JOGO ganha concretude com ações adotadas para questionar o modelo atual e exigir a mudança de rumos.

Na última sexta-feira foi protocolada a Carta Aberta que questiona o Ministro da Economia Paulo Guedes sobre o que está por trás das privatizações. A carta  foi construída por trabalhadores das estatais em risco de privatização e apoiada por todas as entidades que já estão apoiando a campanha.

A próxima ação concreta será o questionamento sobre a PEC 32/2020, que vai muito além de uma “Reforma Administrativa” e modifica completamente o papel do Estado que passará a atuar “nas sobras”, onde o setor privado não tiver interesse, tendo em vista a proposta de inclusão do princípio da subsidiariedade no Art. 37 da CF. Convidamos todas as entidades a participar da construção desse questionamento, enviando suas propostas para contato@auditoriacidada.org.br.

#ÉHORAdeVIRARoJOGO

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *